fbpx

7 perguntas sobre a mesa psiónica azul rp

7 perguntas sobre a mesa psiónica azul rp

7 perguntas sobre a mesa psiónica azul rp

7 perguntas sobre a mesa psiónica azul rp

Tempo de leitura aprox: 7 min

A Mesa Psiónica Azul RP é uma ferramenta poderosa associada ao conceito da Terapia Psiónica onde se pode atuar sobre todas as áreas da nossa vida pois permite desbloquear, anular e transmutar a informação que esteja a impedir a vivência do nosso potencial e podemos incidir sobre a saúde (física, emocional, social, mental e espiritual), a família, o trabalho, os relacionamentos, a prosperidade, o crescimento/evolução espiritual, sendo possível trabalhar bloqueios (conscientes e inconscientes) desta e de outras linhas temporais. Baseada nos princípios da Radiestesia, Radiónica, Psiónica e Geometria Sagrada, toda a simbologia contida na mesa permite um trabalho profundo através da conexão com o EU SUPERIOR da pessoa. Após a sessão desenvolvida através da mesa, será esperado que a pessoa que procurou por essa transformação abra o seu coração à mudança e que respeite e siga as orientações dadas durante essa mesma sessão. A entrega do/a interagente (aquele que recebe o trabalho da mesa) e as suas escolhas irão direcioná-lo/a a uma vida mais simples, mais consciente e, sobretudo, mais ajustada ao seu propósito mais puro.

#1 – Já fiz sessões de mesa com algumas pessoas e os resultados foram diferentes de pessoa para pessoa. Porquê?

Isso pode acontecer por inúmeros motivos e fica difícil fazer essas medições porque os trabalhos com as mesas foram feitos em momentos diferentes, com propósitos diferentes (ou não) e onde tu estarias em frequências diferentes. No entanto, penso que é importante ressaltar que tanto existem diferenças entre várias mesas radiónicas e psiónicas como entre operadores. Hoje em dia existem dezenas e dezenas de mesas diferentes. Poucas são as que passaram por um processo de ancoramento e estabilização mediúnica pois, a grande maioria das que vemos no mercado, não passam de meros tabuleiros com símbolos e gráficos sobrepostos. honestamente, fica muito difícil para alguém que não trabalha com estas ferramentas perceber a profundidade das mesmas mas existem muitos operadores de mesas que relatam extremo cansaço, confusão, contaminação energética do ambiente onde se encontram, extrema necessidade de proteção, entre outros.

Ao mesmo tempo, existem operadores e operadores. Existem os operadores que se trabalham e existem os que não se trabalham internamente; existem os que estudam e existem os que se limitam às formações de fim-de-semana; existem os que sabem e existem os que apenas passam a ideia que sabem; existem os que fazem trabalhos com propósitos elevados e existem os que trabalham com propósitos mais vulgares. Aqui, como em qualquer outra área na vida, temos os bons e os menos bons.

#2 – Disseram-me que deveria esperar 21 dias entre cada sessão. Isso faz algum sentido?

Honestamente, não me faz qualquer sentido. Começou-se a ouvir falar do número 21 com mais intensidade à vários anos, por exemplo, nas famosas sintonizações de Reiki Tradicional e seus “afiliados” onde teríamos de fazer as práticas de auto tratamento por 21 dias (número com características interessantes segundo a visão da numerologia) pois seria o tempo necessário para que essa informação ficasse gravada dentro de nós. De repente, os 21 dias começaram a ser regra para todas as coisas na área da espiritualidade, incluindo algumas “escolas” que promovem trabalhos com mesas radiónicas e mesas psiónicas.

Nos trabalhos com as mesas, as mudanças acontecem no momento em que estamos a alterar informações na pessoa. Ao mesmo tempo, essa nova informação fica “plasmada” na pessoa que a recebeu se a mesma se abrir a isso, se fizer algo por isso. Por exemplo, vamos imaginar que estamos perante uma pessoa que quer largar o vício do álcool. Faz algum sentido esperar que a mesa faça milagres se a pessoa chega a casa e vai beber? Faz algum sentido dar uma sessão a uma pessoa com um quadro destes de 21 em 21 dias? Não faz sentido nenhum… Existem casos onde é necessário atuar com uma mesa por dia, ou de dois em dois dias, duas vezes por semana, uma vez por semana, a cada 15 dias, uma por mês, uma a cada mudança de estação, uma por ano… tudo vai depender de como a pessoa se sente, quão bem e feliz ela está com a sua vida e com as suas escolhas, quão saudável está e por aí fora.

Infelizmente tem sido comum na área das Terapias Holísticas, Energéticas e Complementares (seguindo a ideia da nossa medicina alopática) a busca pelos protocolos mais corretos e por isso se perde cada vez mais o acesso a informação profunda que nos permita conhecer e perceber as pessoas, os desequilíbrios, as doenças e o Todo.

#3 – É normal sentir-me cansada e com vontade de me isolar depois de um trabalho com a mesa?

Sim, não é uma regra mas é perfeitamente normal. Isso também acontece com inúmeras outras terapias como Reiki, Apometria, Taças Tibetanas, e muitas outras. Depois de um trabalho de carácter mais energético, etérico e até espiritual, é extremamente importante que a pessoa se recolha durante dois ou três dias sem o uso de drogas, álcool (abusos em cafeína, comida gordurosa e processada) para descansar e se permitir habituar a um novo padrão de frequência interno.

#4 – Não é exagerado afirmar que as sessões com a mesa possam atuar em todas as áreas da vida?

Não considero a afirmação exagerada mas posso garantir que poucos são os operadores de Mesa que conseguem atuar com extrema eficácia em todas as áreas. Ao aprofundarmos um pouco o conceito da Terapia Psiónica percebemos que o seu poder consiste na junção de 3 factores principais: amor, intenção e conhecimento.

Por mais amor que o operador tenha e por mais que a sua intenção seja clara, sem conhecimento adquirido (por exemplo, sobre saúde) dificilmente conseguirá os mesmos resultados que o operador com as mesmas condições e com conhecimento na área da saúde. E, por exemplo, como poderá um operador (seja de mesa ou de outra ferramenta qualquer) ajudar um casal em terapia se não tem experiência em relacionamentos na sua vivência pessoal ou conhecimento terapêutico sobre essa questão? Na forma como vejo as coisas, ainda que os resultados de um operador sem conhecimento numa área específica consigam surpreender pela positiva, seriam seguramente mais eficazes e transformadores se a pessoa possuísse conhecimento.

As mesas (assim como várias outras técnicas) são ferramentas que nos permitem atuar de várias formas em todas as áreas da nossa vida mas isso não acontece só porque sim. Quanto maior o conhecimento, maior o alcance do trabalho.

#5 – Ajudaria, durante a sessão, se me acreditasse que o que está a acontecer é verdade?

O trabalho não acontece na mesa nem por causa do movimento do pêndulo. O trabalho acontece através da mente e do sentir do operador. Nesse sentido, independentemente do que a outra pessoa pensa ou sente, é possível conseguirmos resultados interessantes.

No entanto, quanto mais abertas as pessoas estão a experienciar sessões de mesa (ou sessões de outra técnica ou terapia qualquer), menos resistências serão encontradas. Posso acrescentar que as resistências com as quais lidamos diariamente são inúmeras e que as mais conhecidas são as físicas, as mentais, as emocionais e as astrais.

#6 – A mesa dá-me respostas sobre o meu futuro?

Nem pensar, a mesa não é um oráculo! E quem te disser o contrário, desconfia. O pêndulo serve para medir frequências e não para fazer previsões de futuros. Larga essa ideia de que existe algo ou alguém que tem mais respostas para ti do que aquelas que tens dentro de ti.

#7 – Quantas sessões vou necessitar para resolver o meu problema?

Tudo vai depender de como te sentes e do que é que queres projetar para o teu futuro. Se tens uma vida super facilitada e se estás feliz com todas as áreas, acredito que não vás sentir necessidade de intensificar uma transformação nesse momento da tua vida. No entanto, se a tua condição se apresentar débil em qualquer área da tua vida, sou da opinião de continuar a explorar esse território até que te sintas confortável ou com estrutura para mudares o que necessita de ser mudado.

Não existem protocolos nem fórmulas. Nem sequer sou a favor da comercialização de sessões como uma forma de obter um comprometimento forçado.

E chegamos ao fim de mais um artigo! Se sentires que tens questões ou dúvidas sobre esta ferramenta que não foram respondidas neste artigo não hesites em entrar em contacto comigo.

Espero-te bem,
João

Alerta: Não está autorizado a copiar conteúdo!