BhumiDesenvolvimento Pessoal e EspiritualHolismoMesa Radiónica QuânticaTransforma-te

De adulto para adulto: o que é a mesa radiónica?

By Agosto 5, 2019 No Comments

O título deste artigo estava previsto ser “Trocando por miúdos: o que é a mesa radiónica quântica?”. Ri-me. Rapidamente percebi que, se eu explicasse a uma criança o que é realmente esta ferramenta, o adulto não iria compreender. Por isso, e como estou a falar para ti que és um adulto, decidi aventurar-me a desmistificar um pouco este conceito de uma forma tão simples que qualquer adulto consegue entender.

Sim, as crianças também não entenderiam se lhes falasse como necessito de falar para um adulto. Elas são muito mais sensíveis, muito mais complexas e muito menos complicadas.

Então, o que é a mesa radiónica quântica?

Para te explicar o que tu podes fazer com um desenho e um pêndulo preciso primeiro falar um pouquinho da nossa espécie, de mim e de ti.

Provavelmente já te chegou aos ouvidos a ideia de que és tu que crias a tua realidade. Para além disso, que és o responsável número 1 por tudo o que te acontece e por tudo o que experiencias. A ideia em si ou as palavras que nos chegam até podem ser fantasiosamente agradáveis mas rapidamente as abandonamos quando encontramos dificuldades porque nos dá a sensação de que não temos o poder de manusear a realidade.

Sim, és tu que crias a tua realidade. Ou melhor, tens um papel fundamental na cocriação da tua realidade. Mas cocriar não significa controlar ou obter o que se quer. Acompanha-me…

Não cocrias a tua realidade apenas pelos teus pensamentos, se tens pensamentos positivos ou negativos. Na verdade, considero isso um tipo de adormecimento da potencialidade da mente e de impacto pouco permanente. Cocrias a tua realidade, essencialmente, com o conjunto de informações que existem numa grande parte de ti que desconheces, o que uns chamam de Subconsciente. E é possível mexer nessas informações, transformá-las, eliminá-las? Acredito piamente que sim.

As tuas memórias e traumas, as experiências que tiveste, as crenças que decides abraçar, os dogmas e preconceitos e suas raízes que decides alimentar, as emoções que decidiste esconder, os sonhos que deixas de percorrer e, na verdade, todo o resto da tua história, são como blocos ou conjuntos de informação.

Sim mas… o que é a mesa radiónica quântica?!

Esses conjuntos de informação são, na verdade, o que te está a gerar experiências. Cada conjunto de informação que decidas, consciente ou inconscientemente, segurar em ti vai fazer com que a tua mente busque detalhe e pormenor nessa experiência. Aqui não há a separação do “bem e do mal”, apenas o desenrolar da informação que temos connosco.

Imagina que durante anos te convenceste que é difícil gerar ou ganhar dinheiro ou até que não gostas de dinheiro porque julgas que isso transforma as pessoas em “más pessoas”. Como é possível ter uma vida financeira saudável? Imagina que, “inexplicavelmente”, te aparecem multas ou imprevistos para pagar e não consegues acumular dinheiro ou até que, por mais que tentes, não consegues encontrar um emprego. Isso é azar? Há muito tempo que tirei essa fantasia da sorte e do azar da minha vida.

São as informações que correm em nós que nos proporcionam as experiências que temos. A experiência é como um complemento à informação que já temos dentro. O que está dentro espelha o que está fora e o que está fora espelha o que está dentro.

Com a mesa radiónica atuamos a nível quântico, a nível informacional. Com comandos específicos, com uma intenção definida para cada propósito e respeitando o procedimento de cada mesa.

Responde a esta simples questão: o que é a mesa radiónica??!

A mesa radiónica é uma placa desenhada, organizada e estruturada de uma forma específica. Existem vários símbolos/desenhos ocultos e outros que conseguimos observar. Estão lá com propósitos específicos, a cumprir a sua função. No entanto, a placa em si apenas é uma placa, um tabuleiro, uma mesa. E existem muitas, cada vez mais. Mas como referi atrás, cada uma sintoniza em trabalhos e frequências específicas, umas são mais intensas outras mais suaves ou menos intensas.

No entanto, a mesa em si não faz nada. É necessário um operador para utilizar o potencial da mesa e esse operador necessita de um instrumento – o pêndulo. O pêndulo, assim como a mesa, é um objeto inanimado. Não mexe, não faz acontecer nada se não existir a interação de um “operador de pêndulo” (desconheço este conceito, mas pareceu-me adequado).

E isso não é magia. Isso é a capacidade inata que a nossa mente tem de interferir na realidade à qual damos detalhe e atenção. O trabalho com a mesa nada mais é que uma forma de irmos conseguindo transformar ou até eliminar os registos que temos dentro de nós, de forma a transformarmos a nossa realidade e a das pessoas que nos chegam.

Existem requisitos para utilizar a mesa?

Considero fundamental um interesse verdadeiro do operador em autoconhecimento. Autoconhecimento não é nada em específico mas muita coisa em conjunto. O que é certo é que à medida que ampliamos o conhecimento sobre nós próprios ampliamos automaticamente o conhecimento sobre os outros, sobre o que nos rodeia. E aí sim, conseguiremos encontrar o que necessita de ser transformado.

A mesa radiónica não é a solução para tudo o que existe, até porque o que existe não existe para ser evitado ou solucionado mas sim vivido e transformado. A mesa é apenas uma ferramenta onde podemos agregar muitos trabalhos, outras ferramentas que tenham o princípio de promover uma transformação, seja uma ferramenta terapêutica ou não. A mesa serve apenas para se transformar informações na vida das pessoas. E atua em várias áreas, apenas porque tudo é informação. No campo pessoal, profissional, social, familiar, emocional, espiritual, mental…

Podia falar-te em temas que talvez não domines ou que nunca tenhas ouvido falar, pelo simples facto de que tu não és apenas um corpo físico, por exemplo. És muito mais do que isso.

Na minha limitada forma de ver as coisas, a viagem mais importante para ti é a do autoconhecimento. A mesa é uma das ferramentas interessantes para se levar nessa viagem.

Espero-te bem,

João

Leave a Reply