Há uns anos, abrir a possibilidade na minha mente analítica para o mundo espiritual e energético foi algo bastante difícil para mim. Nessa altura, entre muitos conceitos novos, a magia era um tema recorrente.

Comecei por ver referências históricas da magia negra e da magia branca. As sociedades tribais eram sustentadas em filosofias específicas que explicavam a vida e os seus ciclos através da constante interação de 4 elementos. A medicina dessa época era, essencialmente, baseada em rituais, magias e cânticos. Com o passar do tempo, essencialmente com a passagem da sociedade tribal para a sociedade tradicional, a medicina evoluiu para um estudo profundo do reino animal, vegetal e mineral e a filosofia foi adaptada a um sistema de 5 elementos (que na verdade são 5 movimentos).

Um bom exemplo desta evolução foi o percurso histórico da medicina chinesa que, em tempos bastante remotos, os Taoistas apenas usavam rituais, magias e cânticos para curar pessoas individual e colectivamente. Por esta altura, monges, médicos e bruxos (diferentes palavras para a mesma “profissão”) davam uso ao estudo de algumas leis que ainda hoje se usam: a Teoria da Origem Única do Qí e a Teoria de Yin e Yang. Apesar desse tipo de medicina ritualística ter evoluído para a Medicina Chinesa Clássica, as práticas com mantras e rituais permaneceram conservadas por alguns dos grandes médicos da história. Hoje em dia, o que mais se conhece desta evolução é a Medicina Tradicional Chinesa, que nada mais é que uma tentativa bastante forçada em tentar juntar a medicina ocidental atual com a medicina oriental ancestral, apesar de ainda existirem uns quantos guardiões das práticas clássicas antigas.

Assim, o misticismo, os rituais, os cânticos sagrados, os mantras e outras práticas foram, algumas, conservadas até aos dias de hoje.

As magias existem?

Sim, existem! Independentemente da crença de cada um, as magias existem e a nossa história mundial (e portuguesa) foi evoluindo repleta de forças ocultas, conflitos astrais e outras quantas coisas.

Cerca de 90% das pessoas que vêm ter comigo para uma consulta de Mesa Radiónica Quântica trazem consigo magias. São poucas as pessoas que estão abertas a essa ideia sendo que a maioria faz uma cara incrédula (adorava ter fotografias desses momentums) quando faço referência a essa situação.

Tem sido curioso perceber que Portugal e Brasil são dos países onde é mais comum esse tipo de prática! Mulheres que fazem magias aos seus companheiros, pais que fazem aos filhos, filhos que fazem aos pais, “amigos” que fazem a “amigos”…. enfim, tenho visto coisas que contado ninguém acredita!

Há pouco mais de um ano, tive uma paciente (cuja identidade não vou revelar obviamente) que me procurou para um trabalho com a Mesa Radiónica Quântica pois queria ver-se livre do relacionamento que tinha. A meio da consulta, e com uma linguagem corporal e facial que revelava algum constrangimento, contou-me que tinha feito no passado uma magia para prender o homem a si. Ela conseguiu fazer com que ele estivesse sempre na sua vida ainda que de forma conflituosa e pouco ou nada harmoniosa. No entanto, consultou-me pois já não “gostava dele” e queria seguir com a sua vida. Sentia-se sufocada porque ele não a deixava, perseguia-a e controlava-a. No meio de risos e choros, a pessoa em questão não mostrou qualquer nível de arrependimento pela sua atitude no passado. Apenas se queria ver livre duma “pedra no sapato” e culpava-o de tudo e mais alguma coisa. Falei-lhe que apenas retirava a magia se ela demonstrasse consciência de que tinha interferido no livre arbítrio de um Ser. Indignada por eu não ser uma pessoa que fez o que ela quis apenas porque estava disposta a pagar-me, disse-lhe para consultar a pessoa a quem ela tinha recorrido para esse trabalho. Percebi que me tinha consultado apenas porque eu não cobrava o balúrdio que o anterior cobraria e, sem termos terminado o trabalho, saiu cheia de razão da sala.

Nunca mais tive qualquer contacto com ela.

O que são magias e porque não as devemos fazer?

Na verdade, tu deves fazer o que sentes que deves fazer. Se a tua vontade for interferir no livre arbítrio de uma pessoa podes e deves fazê-lo. Mas deves lembrar-te do seguinte: existe a Lei do Retorno! Isso significa que tudo aquilo que fazemos ao outro, volta para nós e, desde o inicio da Era do Amor (pós 21 de Dezembro de 2012), essa lei está mais forte e viva do que nunca! Então sempre que o teu ego infeliz te der um input mental ou emocional para fazeres algo a alguém, não te esqueças de ter em conta esta linda Lei do Retorno.

Já tive muito receio das magias mas hoje em dia encaro-as como meros limitadores. Esses limitadores que muita gente traz consigo atuam em todas as áreas da vida (saúde física, mental, emocional, espiritual, profissional, familiar e social) e são como um software à espera de uma oportunidade para começar a operar. Basta existir uma brecha no nosso campo áurico, uma debilidade emocional, um trauma ou algo que faça com que a pessoa se sinta minimamente incomodada para que esse programa comece a desenvolver-se continuamente, sem parar.

Isso tem me mostrado que as magias atuam por uma debilidade/fragilidade pessoal e não pelo o facto das pessoas se acreditarem ou não que as magias existem. A nossa mente é realmente poderosa mas isso não significa que as nossas crenças limitadoras são, na verdade, a verdade. Quero com isto dizer que, acredites ou não, as magias existem e atuam silenciosamente até termos a vida realmente encravada num ou mais aspetos.

Como se fazem magias?

Podemos dividir essa questão em duas formas básicas: de forma inconsciente e de forma consciente!

Tem sido comum encontrar pessoas que trazem consigo magias que foram feitas de modo inconsciente. Para uma pessoa com uma mente forte basta desejar mal a alguém, sentir inveja, raiva ou ódio que isso tem, por si só, um certo impacto! É também comum encontrar casos em que são as próprias pessoas que, constantemente, se limitam a si próprias com um “não consigo”, “não é possível” ou “tenho medo de”.

Imagina durante 15 anos uma pessoa desejar mal a outra, ter pensamentos obsessivos em relação à outra ou passar o tempo com frequências de ódio, raiva e inveja sempre que essa outra pessoa lhe vem a mente! Isso tem um grande impacto e o mesmo acontece se uma pessoa dirigir essas frequências a si própria!

Por outro lado, existem procedimentos conscientes que visam, realmente, afetar a vida da outra pessoa. Podemos ser nós a fazer os rituais e todos os passos necessários para cada resultado pretendido ou podemos contratar os serviços de umas quantas pessoas (tristes, na minha humilde perspectiva) que fazem esse tipo de trabalhos. Aproveito para sublinhar que, apesar dessas pessoas receberem a troca necessária (dinheiro na maior parte das vezes) para fazer esses trabalhos, a Lei do Retorno também funciona para elas. Esses trabalhos são densos, limitantes e obscuros e, com certeza, essas pessoas pagarão o preço justo por tal impacto negativo/denso/obscuro na sociedade em que vivemos.

Qual a diferença entre magia negra e magia branca?

É simples: para cada veneno existe um antídoto! A magia negra, como muitos devem calcular, serve o propósito de interferir no livre arbítrio de alguém de forma a limitá-lo numa ou mais áreas da sua vida. Por sua vez, a magia branca tem o propósito de eliminar os registos da magia negra e restabelecer a Ordem Divina da pessoa, lar ou situação.

A magia branca tem sido utilizada há já alguns milhares de anos como um escudo protetor e, como referi atrás, para limpar interferências. Quando uma pessoa traz consigo magias (sejam magias, macumbas, mandingas, feitiços, pragas, invejas, olho gordo e por aí fora), utilizar a magia branca não significa que estamos a interferir no livre arbítrio da pessoa pois apenas estamos a devolver a normalidade, naturalidade e integralidade da pessoa, lar ou situação.

Como sei que tenho magias e como as posso retirar?

No caso de não teres uma sensibilidade apurada será difícil saberes com precisão o que se passa. Contudo, um grande indicador de que trazes magias contigo (não é o único e não significa que é sempre assim) é o estado estagnado de uma ou mais áreas na tua vida. O mais comum é as pessoas não perceberem porque as coisas estão a correr cada vez pior (no lado amoroso, profissional e familiar – áreas da vida onde é mais comum as pessoas interferirem) mesmo quando, muitas vezes, sentem que estão a dar o melhor de si e se estão a esforçar para que as coisas corram de forma diferente.

Como disse, o facto das coisas não correrem consoante as nossas expectativas não significa (sempre) que temos esse tipo de interferências connosco. Podem ser outro tipo de interferências (como obsessores, obsessores de obsessores, clones, miasmas, larvas astrais, chips, implantes, entre outros), pode ser “a vida” a tentar que mudemos o nosso rumo ou, simplesmente, pode significar que podemos dar mais de nós em cada experiência ou situação.

Quando as coisas começam a estagnar uma, duas e três vezes, a minha sugestão é que procures informar-te sobre a tua situação. São várias as pessoas, terapeutas, médiuns e afins que fazem esse tipo de diagnósticos e de remoções. Até aqueles que trabalham com magias negras, muitas vezes, fazem também trabalhos de magia branca. É estranho sim, mas cada um sabe de si e trabalha para o lado que quer ou para aquele que der mais jeito no momento!

Os primeiros anos após o meu Despertar recorri a muitas pessoas que me ajudaram a apurar a minha sensibilidade e a ter mais ferramentas para saber cuidar de mim a nível energético e espiritual. Contudo, vi-me encurralado muitas vezes por várias pessoas que, supostamente, me estariam a ajudar e sentia-me constantemente à mercê das mãos de quem eu não conhecia mas tinha de confiar. Desde que trabalho com a Mesa Radiónica Quânticanunca mais tive a necessidade de recorrer a nenhum desses trabalhos pois comecei a poder tomar conta da minha própria “higiene espiritual“. Nesse sentido, estou eternamente grato a todos aqueles que me causaram dificuldades e, especialmente, a todos aqueles que me ajudaram a ser independente nesse cuidado espiritual que tanto necessitava!

_________________________________________________________________________________________

Se sentires vontade ou necessidade de partilhar a tua situação comigo podes fazê-lo através do teu computador. Sabe como na página CONTACTOS.

Se tens vontade de receber todos os conteúdos deste blog no teu e-mail subscreve a Newsletter AQUI. Com o passar do tempo vou estabelecer uma relação de proximidade com os subscritores sendo que existirá algum conteúdo que será partilhado apenas na Newsletter, assim como promoções, ofertas, workshops e novidades!

Espero-te bem,

João

GuardarGuardar

3 Comments

Leave a Reply